Ivete lança disco 'multicultural' e encara teste de batuques pelo mundo


Em "Real fantasia", novo álbum de Ivete Sangalo, a baiana faz longa jornada musical. Começando pelo samba-reggae, com um pé na Bahia e outro na Jamaica, ela passa por disco e funk dos EUA, semba e kuduro africanos, guajira cubana e mais flertes com música latina. A viagem multicultural culmina no dueto com a colombiana Shakira, "Dançando" (na versão do disco para iTunes).

O resultado foi positivo para a cantora. De cinco artistas ela adivinhou três. Como se não bastasse, Ivete descreveu com desenvoltura os ritmos ouvidos, lançando mão apenas de voz e mímica, em uma espécie de "percussão vocal".

Mãe, cantora, empresária e atriz são as funções mais conhecidas da moça multitarefas. Mas a faceta "Ivete ouvinte" mostra que o tempo ainda lhe sobra para conhecer sons, seja procurando músicos africanos ou o último disco da Beyoncé no iTunes.


'Delira na guajira'

A única faixa que Ivete Sangalo não chegou perto de adivinhar foi "Romance guajiro", do músico cubano Guillermo Portabales. Ivete tem uma música com nome semelhante em seu novo disco, "Delira na guajira". A faixa dela, com referência ao ritmo cubano guajira, é um dos trechos com sabor latino mais marcado em "Real fantasia". A baiana cita outra cantora cubana como parte de sua formação musical. "Ouvi muito Gloria Estefan. Ela tem um disco, 'Mi tierra', em que é feito um apanado apanhado desses ritmos cubanos todos", conta Ivete. O amor pela cultura hispânica vem de berço: o pai de Ivete é de família espanhola.

'Parecida com Beyoncé'

Ivete identificou logo quem cantava "Run the world", "do último disco da Beyoncé". Ela diz que uma das faixas de "Real fantasia", "Isso não se faz", tem baterias eletrônicas parecidas com a da mulher de Jay-Z. Sobre semelhanças de personalidade, Ivete diz: "Somos muito parecidas, carregamos nossas vidas na personalidade. Por mais assessoria que se tenha, ela busca vontades dela. É muito dona do nariz, e eu sou assim também. Mas sou menos perfeccionista".

Fã de Fela Kuti

Ivete garante que se a reportagem desse mais tempo para o palpite, acertaria o intérprete da faixa ouvida do falecido músico nigeriano Fela Kuti, pai do afrobeat. "Tem tanta coisa africana lá em casa, bicho", diz a cantora. "Fela Kuti é incrível. Tem essas coisas instrumentais que eu acho massa. Ele dá um tempo. É um som bem de mantra, gosto pra caramba", explica, além de incluir o cantor na lista de africanos que ela gosta de baixar na internet.

'Como Peter Tosh com farinha'

A cantora que já foi à passeio para a Jamaica diz que "come Peter Tosh com farinha" - reconheceu sua voz em poucos segundos. "Reggae é uma coisa que ouço diariamente", garante. A cantora ainda falou sobre a origem do samba-reggae baiano. "Veio do Neguinho do Samba [músico de Salvador]. É a mistura de uma coisa muito particular da gente, o repique do samba, com o reggae", diz a cantora, explicando com sua "percussão vocal".

Semba com Shakira

O artista brasileiro escolhido para o "cabra-cega" com Ivete não é tão conhecido, mas ganha popularidade com ajuda da própria Ivete. O baiano Magary Lord é um dos compositores da faixa-título de Real Fantasia. "Ele é um cara que pegou o semba e assumiu para ele na Bahia", diz Ivete. Semba, como ela mesmo esclarece, é um ritmo africano semelhante ao samba brasileiro. "A música que eu gravo com a Shakira ["Dançando"] é um semba misturado com reaggaeton", explica Ivete.


Fonte: www.g1.globo.com 
publicado por Fã Club Ivete Sangalo em CABO VERDE às 20:16 | link do post